ESTUDO SOBRE A GRAÇA DA DEUS

Mergulhando na Graça de DEUS

“Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se DEUS é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os eleitos de DEUS? É DEUS quem os justifica. Quem os condenará? É CRISTO JESUS quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de DEUS e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de CRISTO? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de DEUS, que está em CRISTO JESUS, nosso SENHOR.” (Romanos 8:31-39)

DEUS amou-nos primeiro mesmo que não tivéssemos nada para oferecer a Ele. Seu amor não é condicional, não aumenta, não diminui, permanece sempre o mesmo e é dado a qualquer pessoa.

Graça é um favor imerecido ou algo concedido livremente por DEUS para aquela pessoa que não merece, não é digna; é um presente que recebemos sem méritos próprios, motivado unicamente pelo amor e misericórdia de DEUS para conosco. Podemos dizer que graça é o amor de DEUS agindo em nós, dando-nos livremente o seu perdão, a sua aceitação e o seu favor (imerecido). Ela é um dom, através do qual DEUS estende misericórdia e salvação às pessoas, permitindo que Ele confronte a indiferença e rebelião do homem com Sua capacidade ilimitada de perdoar e abençoar.

Por estarmos acostumados a “comprar” consideração, amor, respeito, fazendo algo “por merecer”, sendo este um “vício” da natureza humana, temos grande dificuldade em entender o verdadeiro significado da graça de DEUS: atributo DIVINO, e não humano; presente, pelo qual, não precisamos dar nada em troca. Nós não precisamos fazer nenhum esforço, não precisamos estar limpos e santificados para receber esse presente, basta apenas querer receber e aceitá-lo, usufruindo, assim, do amor e graça de DEUS. A graça dá ao homem participação na natureza divina, assim como o carvão em contato com o fogo, que continua sendo carvão, mas é purificado e adquire as propriedades do fogo.

Graça X Lei.

Você, com certeza, já escutou a seguinte frase: “vivemos na época da graça e não da lei” e isso significa dizer que não seremos salvos se apenas cumprirmos as leis, mas sim se recebermos a graça de DEUS, através da fé no sacrifício de JESUS na cruz. Apesar de vivermos na época da graça, cumprimos as leis, sim, através dessa graça mesmo. Temos de estar alertas para não cairmos em uma falsa graça, manipulando o perdão de DEUS, ao fazermos coisas que O desagradam sem qualquer temor a Ele.

“Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas: não vim para revogar, vim para cumprir.” (Mateus 5:17)

 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de DEUS; não vem das obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2: 8 e 9)

As leis não nos garantem a salvação; elas foram criadas por DEUS para que vivêssemos da melhor forma possível aqui na terra. Em sua infinita sabedoria, Ele já sabia que não conseguiríamos guardar todas as 613 leis e, por isso, manifestou a sua graça sobre nós, cumprindo o que é dito na bíblia, que a misericórdia triunfa sobre o juízo. A graça sempre será a base do relacionamento entre DEUS e os homens, sendo aplicada desde a pessoa mais correta até a mais pecadora.

“Pois qualquer que guardar toda a lei, mas tropeçar em um só ponto, tem-se tornado culpado de todos.” (Tiago 2:10)

 “Porque o juízo será sem misericórdia para aquele que não usou de misericórdia; a misericórdia triunfa sobre o juízo.” (Tiago 2:13)

O fariseu é um exemplo bíblico de uma pessoa que desconhece a graça. Com suas 613 leis que detalhavam a vida cotidiana, ele transformou a justiça em uma ciência exata, não deixando espaço para o amor, mas só para o julgamento. O fariseu era zeloso em guardar as leis, mas não dava importância ao relacionamento vivo com DEUS. Ele estava mais preocupado em respeitar tradições humanas do que em buscar a DEUS. Ele acreditava que religião era obedecer a leis e regras, mas se esquecia de amar DEUS e o próximo, de servir DEUS e se oferecer em favor do próximo.

“Ora, vendo isto, os fariseus perguntavam aos discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores? Mas JESUS, ouvindo, disse: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes.” (Mateus 9:11 e 12)

JESUS não veio revogar a lei, mas cumpri-la. Quando Ele resumiu todas as leis em apenas duas, estava mostrando o segredo para conseguir cumprir todas as demais.

“A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei. Pois isto: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e, se há qualquer outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor.” (Romanos 13:8-10)

Antes (época da lei)        X        Agora (época da graça)

Bastava não assassinar      X        Além disso, não posso guardar rancor;

Bastava não adulterar        X        Além disso, não posso ser lascivo;

Bastava não testemunhar

falsamente contra o próximo  X    Além disso, não posso julgar o próximo.

Hoje em dia, essas são as novas exigências que DEUS nos faz. Não foi DEUS quem se separou do homem, mas sim, o homem de DEUS, a partir do momento que passou a buscar sua independência. DEUS, em contrapartida, continuou a amar, e MUITO, o pecador. JESUS veio para aqueles que estão pobres e doentes de espírito, que têm algum vazio a ser preenchido, Ele abomina o pecado, mas ama ao extremo o pecador.

A graça também muda nossa filiação: de filhos e herdeiros de pessoas comuns, passamos a ser filhos do REI. A graça de DEUS não muda nosso passado, mas sim o nosso presente e o futuro. Um bom exemplo de pessoas que alcançaram a graça de DEUS são Raabe e Bate-Seba, uma prostituta e uma adúltera, que são mencionadas na linhagem de JESUS (Mateus 1:1-17). A graça leva-nos a participar da história de JESUS, a despeito de nosso passado!

Mesmo no Antigo Testamento DEUS revelou Sua graça e misericórdia para com o povo, perdoando-o e chamando-o de volta a Si, embora não merecessem, pois por tantas vezes eles O traíram e abandonaram, prostrando-se ante outros deuses. DEUS, porém, permaneceu fiel à promessa feita a Abraão, Isaque e Jacó, através de Sua graça.

Em JESUS CRISTO, DEUS manifestou a plenitude de Sua graça, transmitida aos cristãos pelo ESPÍRITO SANTO, que nos dá o consolo, o perdão e o poder para fazer a vontade de dEle.

A graça é para TODOS, principalmente para os que estão em trevas, afundados em pecados, mas infelizmente nem todos correspondem a ela. Lembre-se de como você estava quando JESUS te chamou!

“Sobreveio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça.” (Romanos 5:20)

Quando não estamos enfrentando dificuldades, tendemos a achar que não precisamos da graça de DEUS; a maior dificuldade do homem está em aceitá-la.

O homem, em função de sua tendência ao pecado, tenta condicionar o recebimento da graça a algo executado por si próprio, sendo envolvido na mentira de pensar que desfrutará do amor e aceitação de DEUS dependendo de seu desempenho como cristão, do que faz na obra do SENHOR ou de seus esforços. É um erro misturarmos a lei (desempenho próprio) com a graça (presente de DEUS), visto esta ser um presente incondicional de DEUS, não podendo ser conquistada por esforço, limpeza espiritual ou santidade, bastando apenas recebê-la e aceitá-la.

Quando entendemos e aceitamos a graça de DEUS como sendo um sentimento sobrenatural, o amor por JESUS toma o nosso coração, porque mesmo não O vendo, entendemos o valor de Sua graça, que atinge todos os habitantes da Terra, sem distinção entre cristãos (seguidores e discípulos de JESUS) e ímpios (não seguidores e não discípulos de JESUS).

Não podemos pensar que DEUS gosta mais dos cristãos do que dos ímpios, pois a diferença está em saber a existência dessa graça e agir de acordo com a vontade de DEUS. Um dos melhores exemplos disso é a parábola dos dois devedores (Lucas 7), que JESUS usou para explicar a um fariseu o grande amor que a mulher pecadora tinha por ELE, pois esta lavou Seus pés com lagrimas e enxugou com seus cabelos.

“Perdoados lhe são os pecados, que são muitos; porque ela muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama.” (Lucas 7:47)

Quem não recebe a graça de DEUS, ou não a compreende, torna-se religioso, isto é, acredita ser santo em virtude de suas obras e por suas vidas em conformidade com a Lei. A respeito destes, a Palavra afirma que caíram da graça de DEUS. (Gálatas 5:4)

“E veio a ele um leproso que, de joelhos, lhe rogava, dizendo: Se quiseres, bem podes tornar-me limpo. Jesus, pois, compadecido dele, estendendo a mão, tocou-o e disse-lhe: Quero; sê limpo. Imediatamente desapareceu dele a lepra e ficou limpo. E JESUS, advertindo-o secretamente, logo o despediu, dizendo-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; mas vai, mostra-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho. Ele, porém, saindo dali, começou a publicar o caso por toda parte e a divulgá-lo, de modo que JESUS já não podia entrar abertamente numa cidade, mas conservava-se fora em lugares desertos; e de todos os lados iam ter com ele.” (Marcos 1:40-45)

JESUS ordenou ao leproso que não contasse o milagre ao povo porque a humanidade daquela época é semelhante à de hoje, ou seja, colocariam holofotes no milagre que acabava de acontecer, sentindo a necessidade somente de um curandeiro e milagreiro. JESUS, porém, tinha e tem muito mais: Ele veio para dar, além das bênçãos e curas, a vida interna e eterna, para que não permaneçamos só nos milagres, mas desfrutemos da “Vida em Abundância”.

Esses fatos aconteceram lá atrás e, ainda hoje, acontecem. Algumas pessoas não recebem a graça de DEUS porque acham que não precisam, como os fariseus da passagem a seguir, e outras, porque simplesmente não se acham merecedoras.

“Ora, vendo isto os fariseus, perguntavam aos discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores? Mas JESUS, ouvindo, disse: Os sãos não precisam de médico, e, sim, os doentes.” (Mateus 9:11 e 12)

O fato é que todas as pessoas carecem da graça e do amor de DEUS. Como a própria palavra define, a graça de DEUS é de graça aos homens!

Barreiras que impedem o homem de aceitar e viver a graça de DEUS:

– Auto-suficiência;

– individualismo;

– orgulho;

– baixa auto-estima.

JESUS morreu por nós quando éramos PECADORES e NÃO quando éramos MERECEDORES.

“Porque CRISTO, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer. Mas DEUS prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter CRISTO morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.” (Romanos 5:6-8)

A redenção é totalmente um dom da graça de DEUS e inclui o receber, antes do realizar. Somos chamados a responder à graça com obediência, serviço e sacrifício, mas não podemos fazer destes uma forma de alcançar o que nos é dado gratuitamente; tais coisas devem ser, no entanto, uma resposta de gratidão ao que DEUS já fez por nós. A prática de boas obras é o fruto de sermos aceitos por DEUS e não a causa da nossa aceitação; elas são uma resposta positiva à graça e ao amor incondicionais de DEUS.

“Pois somos feitura dele, criados em CRISTO JESUS para boas obras, as quais DEUS de antemão preparou para que andássemos nelas.” (Efésios 2:10)

NÃO somos salvos PELAS boas obras. Primeiro somos salvos e depois fazemos as obras. Somos salvos PARA fazer as boas obras.

Todos nós pecamos e somos merecedores da conseqüência que o pecado traz consigo e, embora não mereçamos, recebemos a redenção de nossa alma através do sacrifício de JESUS, o que leva DEUS a aceitar-nos única e exclusivamente devido ao sangue de Seu Filho ter sido vertido por cada vida existente nesse planeta. Qualquer outro argumento, além do sangue de CRISTO, utilizado para sermos aceitos por DEUS, invalida automaticamente a obra de JESUS na cruz. Tentar agradar a DEUS para ser aceito, significa manipulação e busca de justiça própria, considerada como trapo de imundícia, segundo Isaías 64:6, porém, agradar a DEUS simplesmente porque O amamos, demonstra verdadeira adoração. É justamente na cruz que somos aceitos por DEUS dentro de toda a nossa limitação e fraqueza humana; esse é o significado da graça de DEUS!

“E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça.” (Romanos 11:6)

A graça é totalmente oposta ao legalismo, uma vez que esta é um favor de DEUS, concedido livremente àqueles que não o merecem.

– favor imerecido (graça)            X       aceitação merecida (legalismo)

– livremente concedido (graça)      X       dado condicionalmente (legalismo)

– recipientes indignos (graça)       X       conquistadores dignos (legalismo)

A graça faz-nos valiosos aos olhos de DEUS não por aquilo que realizamos com sucesso, mas por aquilo que somos para Ele: FILHOS.

A graça de DEUS sempre existiu, inclusive no Antigo Testamento, porque JESUS sempre existiu. Nós, porém, não tínhamos o entendimento dela, mas “hoje” essa graça começa a ser revelada a nós; somente “agora” o homem começa a entender o significado dela.

“Porque a lei foi dada por meio de Moisés; a graça e a verdade vieram por JESUS CRISTO.” (João 1:17)

Há uma história no Antigo Testamento que mostra a graça de DEUS:

“E disse Davi: Há ainda alguém que tenha ficado da casa de Saul, para que lhe faça bondade por amor de Jônatas? E havia um servo na casa de Saul cujo nome era Ziba; e o chamaram à presença de Davi. Disse-lhe o rei: És tu Ziba? E ele disse: Servo teu. E disse o rei: Não há ainda alguém da casa de Saul para que eu use com ele da bondade de Deus? Então disse Ziba ao rei: Ainda há um filho de Jônatas, aleijado de ambos os pés. E disse-lhe o rei: Onde está? E disse Ziba ao rei: Eis que está em casa de Maquir, filho de Amiel, em Lo-Debar. Então mandou o rei Davi, e o tomou da casa de Maquir, filho de Amiel, de Lo-Debar. E Mefibosete, filho de Jônatas, o filho de Saul, veio a Davi, e se prostrou com o rosto por terra e inclinou-se; e disse Davi: Mefibosete! E ele disse: Eis aqui teu servo. E disse-lhe Davi: Não temas, porque decerto usarei contigo de bondade por amor de Jônatas, teu pai, e te restituirei todas as terras de Saul, teu pai, e tu sempre comerás pão à minha mesa. Então se inclinou, e disse: Quem é teu servo, para teres olhado para um cão morto tal como eu? Então chamou Davi a Ziba, moço de Saul, e disse-lhe: Tudo o que pertencia a Saul, e a toda a sua casa, tenho dado ao filho de teu senhor. Trabalhar-lhe-ás, pois, a terra, tu e teus filhos, e teus servos, e recolherás os frutos, para que o filho de teu senhor tenha pão para comer; mas Mefibosete, filho de teu senhor, sempre comerá pão à minha mesa. E tinha Ziba quinze filhos e vinte servos. E disse Ziba ao rei: Conforme a tudo quanto meu senhor, o rei, manda a seu servo, assim fará teu servo. Quanto a Mefibosete, disse o rei, comerá à minha mesa como um dos filhos do rei. E tinha Mefibosete um filho pequeno, cujo nome era Mica; e todos quantos moravam em casa de Ziba eram servos de Mefibosete. Morava, pois, Mefibosete em Jerusalém, porquanto sempre comia à mesa do rei, e era coxo de ambos os pés.” (2 Samuel 9:1-13)

O texto mostra a bondade, ou melhor, a GRAÇA de Davi para com Mefibosete. A tradição da época contava que se houvesse algum parente do antigo rei, este deveria morrer, para que não ocorresse uma rebelião ou tentativa de retomada do reinado perdido. O que ocorreu, porém, foi justamente o contrário: devido à aliança que Davi tinha com Jônatas (filho de Saul e pai de Mefibosete), Mefibosete, mesmo sendo da família do antigo rei, tendo os pés tortos (simbolizando imperfeição e aprisionamento) e vivendo numa região desértica (simbolizando a dificuldade), experimentou a graça de Davi. Mefibosete aceitou-a e, então, foi colocado na mesma posição dos filhos do rei. Ele não foi orgulhoso, mantendo-se em posição de extrema superioridade e nem de extrema inferioridade, pois aquele que se sente muito acima ou muito abaixo não usufrui a graça, uma vez que o orgulho impede a manifestação desta. Mefibosete conseguiu aceitar a bondade (graça) de Davi, recebê-la e, assim, agradar ao rei. Quando Mefibosete sentou-se à mesa de Davi, seus pés tortos foram encobertos pela toalha da mesa; essa toalha, para nós, simboliza o Sangue de JESUS, ou seja, a graça de DEUS!

Agora gostaria que você lesse o parágrafo acima e o texto bíblico de 2 Samuel 9 trocando os nomes de Davi por DEUS e de Mefibosete pelo seu nome. Creio que ficará bastante evidente o que DEUS faz por nós.

A verdade da graça de DEUS está em sermos aceitos por Ele, não pelo que somos ou fazemos, mas por aquilo que JESUS é e fez por nós na cruz. Quando rejeitamos a graça de DEUS, estamos rejeitando ao próprio DEUS.

A graça será sempre a base do nosso relacionamento com DEUS (Efésios 2:8). Ela é aplicada desde o mais pecador ao mais correto, de igual forma.

Parábola dos trabalhadores da vinha.

“Porque o reino dos céus é semelhante a um dono de casa que saiu de madrugada para assalariar trabalhadores para a sua vinha. E, tendo ajustado com os trabalhadores a um denário por dia, mandou-os para a vinha. Saindo pela terceira hora, viu, na praça, outros que estavam desocupados e disse-lhes: Ide vós também para a vinha, e vos darei o que for justo. Eles foram. Tendo saído outra vez, perto da hora sexta e da nona, procedeu da mesma forma, e, saindo por volta da hora undécima, encontrou outros que estavam desocupados e perguntou-lhes: Por que estivestes aqui desocupados o dia todo? Responderam-lhe: Porque ninguém nos contratou. Então, lhes disse ele: Ide também vós para a vinha. Ao cair da tarde, disse o senhor da vinha ao seu administrador: Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, começando pelos últimos, indo até aos primeiros. Vindo os da hora undécima, recebeu cada um deles um denário. Ao chegarem os primeiros, pensaram que receberiam mais; porém também estes receberam um denário cada um. Mas, tendo-o recebido, murmuravam contra o dono da casa, dizendo: Estes últimos trabalharam apenas uma hora; contudo, os igualaste a nós, que suportamos a fadiga e o calor do dia. Mas o proprietário, respondendo, disse a um deles: Amigo, não te faço injustiça; não combinaste comigo um denário? Toma o que é teu e vai-te; pois quero dar a este último tanto quanto a ti. Porventura, não me é lícito fazer o que quero do que é meu? Ou são maus os teus olhos porque eu sou bom? Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos [porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos].” (Mateus 20:1-16)

A graça, por ser um favor imerecido, nada tem a ver com o nosso mérito ou demérito, se somos pecadores ou corretos. A partir do momento que condicionamos a graça ao nosso mérito, estamos, automaticamente, anulando a idéia da graça. Toda a vida e obra de JESUS aqui na Terra foi uma demonstração de Sua oferta de salvação a todos, gratuitamente, independente de merecermos isso ou não.

“Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos; pois não vim chamar justos, e sim pecadores [ao arrependimento].” (Mateus 9:13)

 “Tendo JESUS ouvido isto, respondeu-lhes: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pecadores.” (Marcos 2:17)

DEUS aceita e recebe o homem em qualquer estado, devido à Sua graça e, a partir de então, começa a transformá-lo, uma vez que, embora sejamos recebidos em pecado, é impossível continuarmos da mesma maneira se tivermos um encontro real com JESUS. Em qualquer religião escuta-se falar sobre amor, juízo, julgamento, perdão, etc, mas somente no Evangelho verdadeiro de JESUS que se escuta sobre a graça e vive-se a graça.

A base da nossa salvação não é o realizar, mas sim o receber; não é o desempenho, mas a fé.

“Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de DEUS testemunhada pela lei e pelos profetas; justiça de DEUS mediante a fé em JESUS CRISTO, para todos [e sobre todos] os que crêem; porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de DEUS, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em CRISTO JESUS.” (Romanos 3:21-24)

Infelizmente muitos rejeitam e abandonam a graça de DEUS em suas vidas.

“Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o SENHOR, tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de DEUS, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem; e ninguém seja devasso, ou profano como Esaú, que por uma simples refeição vendeu o seu direito de primogenitura. Porque bem sabeis que, querendo ele ainda depois herdar a bênção, foi rejeitado; porque não achou lugar de arrependimento, ainda que o buscou diligentemente com lágrimas.” (Hebreus 12:14-17)

DEUS quer que cheguemos a Ele com confiança, crendo no presente que é a graça.

“Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.” (Hebreus 4:16)

Não podemos clamar juízo sobre uma pessoa, pois primeiro DEUS virá com juízo sobre nós. Devemos clamar a graça e misericórdia sobre a pessoa, para que DEUS venha, antes, com graça e misericórdia sobre nós.

Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que “tiverdes medido, vos medirão também.” (Mateus 7:2)

Por exemplo, se alguém nos afronta, é claro que a nossa vontade é clamar juízo de DEUS sobre ela. Mas será que nós estaremos irrepreensíveis diante de DEUS, caso o juízo dEle visite-nos também? É melhor não arriscar! Vamos clamar graça sobre as pessoas que nos afrontam.

A graça de DEUS é derramada sobre todas as pessoas, sem distinção entre cristãos e ímpios: não pense que DEUS goste mais de uma pessoa do que de outra. Ele ama a todos igualmente.

“Para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.” (Mateus 5:45)

Mesmo após a queda do homem, DEUS não desistiu de ter a sua criação de volta. Essa separação causou um vazio no homem, que somente Ele pode preencher. A parábola do filho pródigo ilustra bem isso:

“Continuou: Certo homem tinha dois filhos; o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me cabe. E ele lhes repartiu os haveres. Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente. Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade. Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os seus campos a guardar porcos. Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada. Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores. E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés; trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se. Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo. E ele informou: Veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo. Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado. Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu. Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.” (Lucas 15:1-32)

Alguns dos meios pelos quais recebemos mais e mais da graça de DEUS são:

► Conhecer mais a Palavra e obedecer a DEUS (2 Timóteo 3:14-15).

► Ouvir a Palavra de DEUS (Romanos 1:16-17).

► Orar (Hebreus 4:16).

► Jejuar (Mateus 6:17-18).

► Adorar a JESUS (Colossenses 3:16-17).

► Transmitir a graça a outros, pois assim como fomos perdoados, perdoemos; assim como fomos amados, amemos, assim como fomos recebidos, recebamos! (Mateus 10:8).

Viver na graça é ter um relacionamento verdadeiro e sincero com DEUS; de confiança em JESUS, sem o uso de máscaras. O único motivo pelo qual viveremos a eternidade com DEUS é a sua graça e o que Ele fez por nós, derramando o sangue de Seu Filho na cruz. Não há outro motivo!

“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em CRISTO JESUS.” (Romanos 8:1)

A graça de DEUS é um presente gratuito que está a nossa disposição, basta aceitarmos, para, assim, deixarmos DEUS transformar-nos a cada dia. Sabe como a bíblia é encerrada?

“A graça do SENHOR JESUS seja com todos.” (Apocalipse 22:21)

Questões relacionadas ao estudo.

1) Com as suas palavras, defina o que é graça. O que o homem precisa fazer para receber esse presente de DEUS?

2) O que significa a expressão “eu vivo na graça e não na lei”?

3) Cite e exemplifique pelo menos duas barreiras que impedem o homem de aceitar e viver a graça de DEUS.

Aula prática.

Nessa semana, exercite a graça de DEUS. Procure alguma pessoa para presenteá-la, seja com um bilhete, uma palavra ou uma lembrança, etc; não porque essa pessoa te tratou bem ou te deu algo, como se fosse uma troca, mas simplesmente faça algo gratuitamente por essa pessoa. Lembre-se: apesar de não termos feito nada para receber a graça, fomos presenteados por DEUS.

Fonte: Mergulhando na Palavra – Igreja Bola de Neve

 

logo_menor

Compartilhe essa mensagem edificante... Share on Facebook
Facebook
Pin on Pinterest
Pinterest
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Seja o primeiro a comentar on "ESTUDO SOBRE A GRAÇA DA DEUS"

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.




Blue Captcha Image
Atualizar

*